Pílulas de Poesia: Aquela

“Aflição de ser eu e não ser outra.
Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
E à noite se prepara e se adivinha
Objeto de amor, atenta e bela.

Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha)

Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel

Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra.”

 

Hilda Hilst

Bruna Regina

Bruna Regina

Bruna Regina é uma jovem mulher periférica e destemida.  Natural de Goiânia onde iniciou sua vida profissional na área de vendas e paralelamente atuava em pequenos/grandes movimentos e eventos políticos e culturais da cidade. Mudou se para São Paulo aos 21 anos, levando consigo uma mala, quatro caixas e sua feroz paixão por poesia, música e revolução. Em SP de maneira despretensiosa a música e principalmente os discos faziam parte de seu dia-a-dia, desse contato diário surgiu a oportunidade de se aventurar na arte da discotecagem em vinil e desde então corre atrás desse sonho. Caiu de paraquedas na delirante Paraty em novembro de 2018.