Parlamento da Hungria finalmente permite que a Suécia adira à NATO

BRUXELAS (Reuters) – O parlamento húngaro votou nesta segunda-feira a favor da proposta há muito adiada da Suécia de ingressar na OTAN, eliminando um obstáculo final à expansão histórica da aliança militar e encerrando um impasse constrangedor entre os membros.

Finalmente, com Budapeste, a Suécia deverá tornar-se o 32.º membro da NATO, possivelmente dentro de uma semana, completando um processo que começou com a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022, à qual se juntou a Finlândia no ano passado. A adição dos dois países nórdicos aumentaria as capacidades da aliança, fortaleceria a sua posição no Extremo Norte e no Mar Báltico – tudo isto enviaria uma mensagem importante a Moscovo.

Quatro diagramas ilustram como a Suécia e a Finlândia poderiam mudar as defesas da OTAN

“Hoje é um dia histórico”, disse o primeiro-ministro sueco, Ulf Kristerson escreveu No X, antigo Twitter. Os parlamentos de todos os estados membros da NATO votaram agora a favor da adesão da Suécia à NATO. A Suécia está pronta para assumir a responsabilidade pela segurança euro-atlântica.

Secretário Geral da OTAN Jens Stoltenberg Congratulando-se com a votação da Hungria, afirmou que “a adesão da Suécia tornará todos nós mais fortes e mais seguros”.

Embora a aliança seja de facto maior e mais forte do que tem sido há anos, meses de sanções por parte da Turquia, seguidos de repetidos atrasos por parte da Hungria, realçaram o desafio de manter os aliados unidos face a uma Rússia agressiva e em reagrupamento.

A aprovação em Budapeste ocorre num momento em que os aliados da OTAN lutam para permanecer unidos na ajuda à Ucrânia e a aliança tenta transmitir confiança, apesar das preocupações com os comentários do antigo e futuro presidente dos EUA, Donald Trump.

Assim, quando os Aliados finalmente içarem a bandeira sueca na sede da NATO em Bruxelas, haverá celebração, claro, mas suspiros de alívio.

Após a assinatura do documento de consentimento, existem apenas algumas formalidades. Autoridades e diplomatas da OTAN disseram que a aliança tentará agir rapidamente e que a formalização da adesão até o final da semana poderá levar mais tempo.

“Certamente saudamos a votação de hoje no parlamento húngaro e aguardamos com expectativa a sua finalização e estamos prontos para obter ferramentas em Washington e dar as boas-vindas à Suécia como o 32º membro da NATO”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, aos jornalistas.

A expansão da aliança da NATO é um sinal claro das mudanças provocadas pela guerra da Rússia na Ucrânia. Após a invasão em grande escala da Rússia há dois anos, a Finlândia e a Suécia abandonaram anos de alinhamento militar para procurar protecção dentro da NATO. A sua adesão exigiu o apoio unânime de todos os Estados-Membros.

READ  Rússia adverte que enviar F-16 para a Ucrânia traz grandes riscos: TASS – POLITICO

Finlândia adere à OTAN, duplicando a fronteira terrestre da aliança com a Rússia

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, o aliado mais próximo de Putin na União Europeia, disse que não será o último. Mas ele estava no esforço da Suécia.

A principal objecção declarada de Orbán foram os comentários das autoridades suecas sobre a erosão da democracia na Hungria.

A lista de exigências não é tão longa ou abrangente como a do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que procurou caças F-16 dos Estados Unidos e levantou embargos de armas por parte de vários países, ao mesmo tempo que instava a Suécia a reprimir os grupos. A Turquia considera-os terroristas e proíbe a queima de Corões em protestos.

Depois de o parlamento turco ter aprovado a adesão da Suécia em Janeiro, pondo fim a 20 meses de idas e vindas, Orbán disse que era uma questão de a Suécia aderir à NATO. Tem que negociar.

Turquia vota a favor da adesão da Suécia à OTAN após meses de atraso

Pressionou o primeiro-ministro sueco para se encontrar com ele em Budapeste – e não se contentou em reunir-se à margem de uma cimeira da UE em Bruxelas.

Kristerson finalmente concordou e, na sexta-feira, na capital húngara, os dois assinaram um acordo para expandir a frota de caças de construção sueca em Budapeste.

Orban ofereceu o acordo Como parte do processo de reparação da confiança danificada.

“Ser membro da NATO com outro país significa que estamos dispostos a morrer uns pelos outros”, disse ele. “Portanto, se você deseja construir um relacionamento tão forte, precisa da base certa para isso, especialmente confiança e respeito mútuo.”

Ele refletiu que a lentidão da Hungria em aderir à OTAN da Suécia foi uma “preparação cautelosa e perfeita”.

READ  Os Commanders encerraram a seqüência recorde anterior de 24 vitórias consecutivas dos Ravens

O Parlamento votou na segunda-feira 188 a favor e 6 contra. O embaixador dos EUA, David Pressman, assistiu da galeria. “A adesão da Suécia à OTAN fortalecerá a segurança dos Estados Unidos, da Hungria e de toda a aliança atlântica”, disse mais tarde ao Washington Post. “A Suécia está pronta para aderir à aliança há quase dois anos. Esperamos receber a Suécia na aliança sem mais demora.

Vazamentos da CIA e sanções mostram ruptura na relação EUA-Hungria

No início deste mês, uma delegação bipartidária de senadores dos EUA em visita a Budapeste disse que lhes foram negadas reuniões com autoridades húngaras.

Dirige-se aos legisladores húngaros Antes da votação de segunda-feira, Orbán falou a favor da adesão da Suécia à NATO. Ele também falou sobre o relacionamento longo e controverso da Hungria com os países da Escandinávia – e como as tentativas de terceiros para intervir nesses conflitos impediram a sua resolução.

Orbán permaneceu na defensiva durante seus comentários. Embora o seu partido domine a política do país, este mês foi abalado pela corrupção. A presidente Kathleen Novak renunciou sob pressão para perdoar um criminoso condenado por ajudar a encobrir abusos sexuais em um orfanato. Os legisladores também votaram na segunda-feira para eleger um novo presidente, Tamas Suleok.

Michael Birnbaum contribuiu para este relatório.

Correção

Uma versão anterior deste artigo referia-se incorretamente ao Mar Negro. A adesão da Suécia reforçaria a posição da OTAN no Mar Báltico. O artigo foi corrigido.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *