Inundações na Líbia: necrotério transborda e o número de mortos nas enchentes chega a 6.000



CNN

Líbia Corpos amontoados nas ruas da cidade costeira de Terna, devastada pelas enchentes, que romperam duas barragens, submergiram casas no mar e correram para enterrar seus mortos.

O número de mortos aumentou para mais de 6.000 na manhã de quarta-feira, hora local, de acordo com Sadedin Abdul Wakil, vice-secretário do Ministério da Saúde do governo de unidade em Trípoli, um dos dois governos rivais que operam no país.

De acordo com o pessoal, os hospitais mal servidos estão cheios de morgue, apesar da necessidade urgente de tratar os sobreviventes da catástrofe.

Cerca de 10 mil pessoas estão desaparecidas, dizem as autoridades, possivelmente arrastadas para o mar ou soterradas sob os escombros espalhados pela cidade de mais de 100 mil habitantes.

Mais de 30 mil pessoas foram deslocadas pelas inundações em Terna, na Líbia, informou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) das Nações Unidas na quarta-feira.

Danos significativos às infra-estruturas da região tornaram algumas áreas afectadas inacessíveis às equipas humanitárias. Apenas dois dos sete pontos de entrada para Terna estão agora disponíveis.

Confira este conteúdo interativo em CNN.com

Equipes de emergência procuram sobreviventes e corpos em pilhas de destroços, enquanto as autoridades tentam respeitar a crença islâmica de que os mortos devem ser enterrados dentro de três dias.

“O Comité dos Mártires (foi criado) para identificar os desaparecidos e realizar procedimentos de identificação e enterro de acordo com a Sharia e as leis e padrões legais”, disse o Ministro dos Assuntos do Gabinete da Líbia, Adel Zuma.

A destruição causada pelo furacão Daniel tornou a tarefa gigantesca ainda mais difícil para as equipes de resgate que tentam limpar estradas e escombros para encontrar sobreviventes.

READ  O ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro foi acusado de falsificar dados da vacina Covid

A tempestade prejudicou as comunicações, frustrando os esforços de resgate e causando ansiedade entre familiares fora da Líbia, que aguardam notícias de entes queridos desaparecidos.

Aya, uma babá palestina com parentes em Terna, disse que não poderia Contate-os do Flood.

“Estou muito preocupado com eles. Tenho dois parentes que moram em Terna. Todas as comunicações parecem estar interrompidas e não sei se eles estão vivos neste momento. É muito assustador assistir aos vídeos de Terna. Nós ‘ estamos todos com medo”, disse ele à CNN.

A Líbia foi dilacerada pela guerra civil em 2011, após uma rebelião contra o governo de Muammar Gaddafi. A escala da destruição sublinha a vulnerabilidade de um país devastado por anos de facções em conflito e de caos.

O Governo de Unidade Nacional (GNU), apoiado pela ONU, liderado por Abdulhamid Dibibe, está situado em Trípoli, no noroeste da Líbia, enquanto o seu rival oriental é controlado pelo Comandante Khalifa Haftar e pelo seu Exército Nacional Líbio (LNA). Liderado por Osama Hamad.

Terna, localizada a cerca de 300 quilómetros (190 milhas) a leste de Benghazi, está sob o controlo de Haftar e da sua administração oriental.

Confira este conteúdo interativo em CNN.com

Daniel Tempestade Produziu algumas das piores inundações no Norte de África.

Uma área de baixa pressão muito forte move-se para o Mediterrâneo e transforma-se num ciclone tropical e atravessa a costa da Líbia. Daniel provocou inundações sem precedentes na Grécia na semana passada, onde o número de mortos foi muito baixo.

A tempestade mortal surge no meio de um ano sem precedentes de desastres climáticos e extremos climáticos recordes, desde incêndios florestais devastadores a ondas de calor opressivas.

READ  Lakers venceu Grizzlies no jogo 3; Dillon Brooks foi expulso após acertar LeBron James na virilha

Terna sofreu os maiores danos após o rompimento de duas barragens, com enchentes afetando diversas cidades da região. o mar

“A Líbia não está preparada para tal desastre”, disse Osama Ali, porta-voz do serviço de emergência e ambulância.

Abdullah Mohammad Bonja/Agência Anatolu/Getty Images

Um veículo fica preso nos destroços de uma inundação causada pelo furacão Daniel em Terna, em 12 de setembro.

Países e organizações enviam ajuda

O Comitê Internacional de Resgate (IRC) disse que o país enfrenta uma “crise humanitária sem precedentes”.

Ciaran Donnelly, vice-presidente sênior do IRC para resposta a crises, disse que o grupo estava conduzindo uma avaliação conjunta das necessidades para apoiar as vítimas das enchentes, enquanto apelava à ajuda da comunidade internacional.

“A Líbia não é apenas um país em crise; É uma porta de entrada para as pessoas que se mudam para a Europa”, disse ele. “O IRC tem trabalhado incansavelmente desde 2016 para fornecer cuidados de saúde essenciais e protecção aos líbios, refugiados e migrantes vulneráveis ​​a esta crise prolongada.”

Confira este conteúdo interativo em CNN.com

A ajuda externa está agora a chegar ao país. Na quarta-feira, a Tunísia, vizinha ocidental da Líbia, enviou uma equipa de busca e salvamento composta por cerca de 52 pessoas. Entre eles estavam quatro cães de busca, três médicos, uma equipe de mergulho e uma equipe de extração de água, informou a agência de notícias estatal tunisina TAP.

A agência de notícias estatal líbia LANA informou que oito aviões militares argelinos transportando ajuda humanitária, incluindo alimentos e suprimentos médicos, roupas e tendas, começaram a chegar à Líbia na quarta-feira.

Os estados membros da UE, incluindo a Alemanha, a Roménia e a Finlândia, forneceram tendas, camas de campo e cobertores, 80 geradores e fornecimentos alimentares, bem como tendas hospitalares e tanques de água através do mecanismo de protecção civil do campo.

A UE também liberou um montante inicial de 500.000 euros (540.000 dólares) em financiamento humanitário depois de as autoridades líbias terem apelado à ajuda internacional.

Um avião turco transportando ajuda humanitária chegou à Líbia na terça-feira, de acordo com a Autoridade de Gestão de Emergências da Turquia (AFAD). O presidente Recep Tayyip Erdogan disse que o país enviaria 168 equipes de busca e resgate e ajuda humanitária para Benghazi, informou a agência estatal Anadolu.

Imagens AFP/Getty

Brinquedos são vistos em uma loja danificada pela enchente em Terna, no dia 11 de setembro.

A Itália está enviando uma equipe de defesa civil para ajudar nos esforços de resgate, informou o Ministério da Defesa Civil do país na terça-feira.

Entretanto, a Embaixada dos EUA em Trípoli anunciou que o seu enviado especial, Embaixador Richard Norland, emitiu uma declaração oficial de necessidade humanitária.

“Autorizaria o financiamento inicial dos EUA para apoiar os esforços de socorro na Líbia. Estamos em coordenação com parceiros da ONU e autoridades líbias para avaliar como direcionar a assistência oficial dos EUA”, publicou no X (formalmente conhecido como Twitter).

O presidente dos Emirados Árabes Unidos, Zayed Al Nahyan, ordenou o envio de equipes de ajuda e de busca e resgate, ao mesmo tempo que oferece suas condolências às pessoas afetadas pelo desastre, disse a agência de notícias estatal.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *