Como suspender sua dívida bancária por até 60 dias

Em meio à crise sanitária e econômica que o País está atravessando, várias medidas estão sendo tomadas visando à diminuição dos efeitos deletérios ocasionados pelo novo coronavírus, seja na área da saúde, seja na do bolso do cidadão.

Na tentativa de suprir a falta de renda das pessoas, espera-se do governo federal e local o implemento de medidas que assegurem, minimamente, o poder de compra das pessoas no que tange aos produtos de primeira necessidade (alimentação, higiene, vestuário).

Trataremos na coluna de hoje sobre a iniciativa do Conselho Monetário Nacional – CMN (órgão superior do sistema financeiro nacional), que autorizou os bancos a prorrogarem vencimentos de dívidas de seus clientes pelo prazo de 60 dias.

Assim, desde o último dia 16, pessoas físicas e jurídicas, clientes do BANCO DO BRASIL, BRADESCO, CAIXA, ITAÚ UNIBANCO e SANTANDER, têm a faculdade de solicitarem a suspensão dos vencimentos de suas dívidas, pelo prazo de 60 dias, em relação aos contratos já vigentes.

Essa medida tem o objetivo de dar fôlego financeiro aos consumidores, conferindo estimulo à recuperação da economia, e amenizar os efeitos do COVID-19 no emprego e na renda das famílias.

Na prática, a suspensão irá funcionar como verdadeira prorrogação do vencimento de 02 (duas) parcelas, podendo ser acrescidas ao final do contrato, a depender da negociação que se fizer com o banco.

Visualizamos, também, a possibilidade de essas prestações paralisadas serem diluídas ao longo de todo o parcelamento, sugestão que poderá ser viável quando da conversa com seu gerente.

O pedido de prorrogação ou suspensão do vencimento de dívidas pelos próximos 60 dias pode ser realizado em relação a quase todos os débitos, EXCETO para as faturas de cartões de créditos, cheque especial e boletos de consumo.

Assim, serão admitidas as pausas nos contratos de financiamentos de imóveis, de veículos, empréstimos e outros.

Ao leitor, relaciono abaixo algumas outras informações úteis e cuidados que deverão ser observados na hora de solicitar a paralisação de seu contrato bancário.

Vejamos:

Em primeiro lugar, os clientes devem entrar em contato com o banco, manifestando o seu interesse na suspensão do vencimento das parcelas, por prazo que pode chegar a 60 dias;

É muito importante estar atento às condições propostas pelo seu banco. Principalmente, em relação a eventual incidência de juros na operação, bem assim em relação a outros encargos que podem tornar mais onerosa a prorrogação do contrato;

A paralisação do contrato apenas será vantajosa se o consumidor não tiver de arcar com juros decorrentes da suspensão. Aliás, tendo em vista as circunstâncias em que estas medidas se dão, por certo, seria abusivo o incremento de mais juros nesta operação;

A prorrogação da dívida não é automática. Desse modo, efetuada solicitação, cliente e banco negociarão os termos do acordo.

A presença física do cliente na agência bancária é dispensável. Para esse tipo de solicitação poderá o interessado se valer dos canais de comunicação disponibilizados pelo  banco;

Lembrar que cada banco irá estabelecer o seu respectivo procedimento. Cada solicitação será avaliada de forma individual, considerando a situação econômica do solicitante;

Será exigido, pela maioria dos bancos, que o solicitante esteja em dia com as prestações para as quais pretende a suspensão. Até o momento, a única exceção é na CAIXA, onde até duas prestações atrasadas não serão obstáculo ao atendimento do pedido de suspensão;

Gostou dessa informação? Comente ou deixe sua pergunta.

Acompanhe nossas postagens, siga-nos nas redes sociais e também compartilhe com os amigos.

Até o próximo artigo.

Marcio Belchior

Marcio Belchior

Marcio Belchior tem 27 anos, é advogado, nascido e criado em Paraty. Filho de Nilton dos Santos Belchior e neto do Ex-vereador Lauro Belchior (Lauro do Taquari), graduou-se em Direito pela UBM, ano 2018. Estagiou na Procuradoria Geral do Município de Barra Mansa, na área de Execuções Fiscais (2015-2016), e no Ministério Público Federal – MPF (2017-2019), nos núcleos de combate à corrupção e crimes federais. Atualmente advoga nas áreas cíveis, trabalhista, previdenciário, tributário e presta assessoria jurídica empresarial. Facebook: https://www.facebook.com/marcio.belchior.75 Instagram: https://www.instagram.com/marciobelchior_adv

Deixe aqui sua opinião sobre este assunto!