Argentinos estão votando em uma eleição difícil, arriscando a economia

Os argentinos começaram a votar no domingo por uma saída para uma crise econômica paralisante, em uma eleição disputada entre o ministro da Economia, Sergio Massa, e o expatriado libertário Javier Mili.

Os dois homens representam futuros totalmente diferentes para a terceira maior economia da América Latina, Cric, sob uma inflação de três dígitos e níveis de pobreza superiores a 40 por cento.

As pesquisas mostram os candidatos no calor, com Miley mantendo uma vantagem tão pequena que ninguém quer prever o resultado.

Cerca de 36 milhões de argentinos podem votar até às 18h00 (21h00 GMT), com resultados esperados algumas horas depois. O novo presidente tomará posse em 10 de dezembro.

Massa, 51 anos, um político carismático e experiente, está tentando convencer a Argentina a confiar nele, apesar de seu desempenho como ministro da Economia, onde a inflação anual atingiu 143%.

A sua rival, Miley, é uma forasteira anti-sistema que prometeu acabar com os gastos descontrolados da Argentina, trocar o peso pelo dólar americano e “dinamitar” o banco central.

Os argentinos estão “à beira de um colapso nervoso”, disse Ana Ibarraguire, analista política da GBAO Strategies, descrevendo as tensões sobre o que vem a seguir.

A maioria está tão enojada com suas opções que “devem escolher o menor dos dois males”.

As pesquisas mostram que 10 por cento dos eleitores ainda estão indecisos e a participação é crucial à medida que as eleições se aproximam de um fim de semana prolongado.

“Ambos os candidatos não têm boas propostas. Votei em quem causaria menos danos a um país numa situação muito difícil”, disse Laura Coleman, uma enfermeira de 25 anos.

– Miley larga a motosserra –

READ  Benny Gantz deixou o governo de Benjamin Netanyahu? - Notícias de Israel

Miley, uma economista de 53 anos, é uma recém-chegada à política que surpreendeu os espectadores depois de liderar a disputa há alguns meses.

Ele é frequentemente comparado ao ex-presidente dos EUA, Donald Trump, e ao brasileiro Jair Bolsonaro, dois políticos que Massa acusou de imitar ao levantar a ameaça de fraude eleitoral – para a qual ele não forneceu nenhuma evidência.

Os discursos de Millay contra os partidos tradicionais que não conseguiram conter décadas de declínio económico incendiaram os eleitores fartos do status quo.

Daniel Ayala, um motorista de táxi de 50 anos, disse que estava farto da corrupção da coalizão peronista no poder, dizendo: “Espero que Miley vença.

No primeiro turno das eleições, em outubro, Massa incomodou as pesquisas ao ficar em primeiro lugar com quase 37% dos votos, enquanto Miley obteve 30%.

Ambos estão competindo para ganhar milhões de votos dos três candidatos perdedores.

Patricia Bulrich, a terceira candidata do poderoso partido de oposição de centro-direita, apoiou Millay.

Miley suavizou sua retórica para atrair seus eleitores mais moderados, apelando ao público para não sucumbir aos temores alimentados pela campanha de Massa.

“Se você tem medo de ficar paralisado, nada vai mudar. Não vamos privatizar a saúde e a educação e não vamos permitir o acesso irrestrito às armas”, disse ele.

Ele disse anteriormente que abandonaria totalmente esses ministérios e seria a favor de facilitar o porte de armas e a venda de órgãos humanos.

Nas últimas semanas, não houve sinal de que ele usasse a motosserra que usava em comícios.

– Alternativa tranquila –

Massa representa a coalizão peronista, um movimento populista que depende fortemente da intervenção estatal e de programas de bem-estar social que dominam a política argentina há décadas.

READ  Os Eagles enfrentam Bucks Joe Burrow para jogar pelo Bengals contra os Rams

Ele tem procurado distanciar-se do profundamente impopular presidente cessante Alberto Fernandez e da sua vice-presidente Cristina Kirchner, que foram acusados ​​de fraude no ano passado. Ambos desapareceram da vista do público.

Massa tentou se retratar como o oposto calmo e estadista de Mili.

No entanto, os analistas acusam-no de utilizar indevidamente os recursos estatais para aumentar as suas hipóteses eleitorais.

Isso incluía o uso de anúncios para alertar que as tarifas de transporte público aumentariam com Miley, a redução do imposto de renda para quase toda a população e a concessão de mais milhões de pagamentos em dinheiro.

– ‘Buraco Incrivelmente Profundo’ –

Independentemente de quem ganhe, os analistas alertam que a Argentina terá um caminho difícil pela frente.

Analistas dizem que a desvalorização do peso rigidamente controlado já deveria ter sido feita há muito tempo, e a escassez de dólares levou à escassez de combustível, remédios e bananas nas últimas semanas.

Com as reservas do banco central no vermelho e sem linha de dívida, o próximo governo “tirará a Argentina de um buraco incrivelmente profundo”, disse Benjamin Keden, diretor do programa argentino da Wilson, com sede em Washington. Centro.

fb/aha

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *