Arábia Saudita estende acordo da Opep até 2024 para cortar produção de petróleo em julho

  • Arábia Saudita oferece novos cortes voluntários de 1 milhão de bpd em julho
  • Alvos russos, nigerianos e angolanos foram alinhados com o lançamento
  • Os Emirados Árabes permitiram que a produção aumentasse

VIENA, 4 Jun (Reuters) – A Arábia Saudita fará cortes profundos na produção em julho, parte de um acordo da Opep+ para reduzir um limite de produção mais amplo.

O ministro da Energia saudita, príncipe Abdulaziz, disse que o corte de 1 milhão de barris por dia (bpd) pode ser estendido além de julho, se exigido por Riad. “É um pirulito saudita”, disse ele.

A Opep+, um grupo de aliados liderados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e pela Rússia, chegou a um acordo sobre a política de produção após sete horas de negociações e decidiu cortar as metas gerais de produção em 1,4 milhão de barris por dia a partir de 2024.

No entanto, muitas dessas reduções não se concretizarão, pois o grupo reduziu suas metas para Rússia, Nigéria e Angola.

Em vez disso, os Emirados Árabes Unidos foram autorizados a aumentar a produção.

A OPEP+ bombeia 40% do petróleo bruto mundial, o que significa que suas decisões políticas podem ter um grande impacto nos preços do petróleo.

A Opep+ já cortou 2 milhões de bpd no ano passado e respondeu por 2% da demanda global.

Em abril, também concordou com uma redução voluntária surpresa de 1,6 milhão de bpd até o final de 2023, que entrou em vigor em maio.

A Arábia Saudita disse no domingo que estenderá parte de seus cortes voluntários de 0,5 milhão de bpd até 2024. Não está claro se o corte de 1 milhão de julho é superior a 0,5 milhão de bpd ou será incluído em um segundo corte de julho.

READ  Eagles QB Jalen Hurts, WR Devonta Smith marcam TDs de Natal

O anúncio de abril ajudou a elevar os preços do petróleo a US$ 9 o barril, para mais de US$ 87, mas eles recuaram rapidamente sob a pressão das preocupações com o crescimento econômico global e a demanda. Na sexta-feira, o Brent, referência internacional, estava cotado a US$ 76.

O Ocidente acusou a Opep de manipular os preços do petróleo e minar a economia global por meio dos altos custos da energia. O Ocidente acusou a Opep de apoiar a Rússia em desafio às sanções ocidentais sobre a invasão da Ucrânia por Moscou.

Em resposta, membros da Opep disseram que a impressão de dinheiro ocidental na última década alimentou a inflação e forçou os países produtores de petróleo a agir para preservar o valor de suas principais exportações.

Países asiáticos como China e Índia, que compram grande parte das exportações de petróleo da Rússia, se recusaram a aderir às sanções ocidentais contra a Rússia.

Reportagem de Ahmed Khader, Alex Lawler, Maha El Dahan e Julia Payne; Escrito por Dmitry Zhdanikov; Edição de Barbara Lewis e David Holmes

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *