Veto russo sinaliza o fim da operação de ajuda da ONU baseada na Turquia na Síria

NAÇÕES UNIDAS, 11 Jul (Reuters) – A Rússia sinalizou nesta terça-feira o fim de uma longa operação humanitária da Organização das Nações Unidas que fornece ajuda a 4 milhões de pessoas no noroeste da Síria controlado por rebeldes, depois de vetar uma renovação de autorização de nove meses no Conselho da ONU. Conselho de Segurança.

A Rússia fracassou em sua própria tentativa de prorrogar por seis meses a medida, que desde 2014 fornece ajuda, incluindo alimentos, remédios e abrigo. A aprovação do Conselho de Segurança para a entrega da ajuda expirou na segunda-feira.

O embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, sugeriu que o mandato do conselho para ações de ajuda não poderia ser salvo.

Antes do veto de seis meses da Rússia e da votação do conselho sobre a proposta, Nebenzia disse: “Se nosso projeto não for apoiado, podemos seguir em frente e fechar o mecanismo transfronteiriço.

“A mudança tecnológica, por qualquer período de tempo, não vamos aceitar”, acrescentou.

A embaixadora dos EUA, Linda Thomas-Greenfield, disse que os EUA continuarão a trabalhar com todos os membros do conselho para renovar a iniciativa de ajuda e instou a Rússia a reconsiderar sua posição.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, insistiu em uma renovação de 12 meses.

Guterres ficou desapontado por o conselho não ter chegado a um acordo e “exortou os membros a redobrar seus esforços para continuar fornecendo ajuda transfronteiriça a milhões de pessoas no noroeste da Síria”, disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric. disse.

O reconhecimento é necessário porque o governo sírio em Damasco, que tem laços estreitos com Moscou, não concorda com a ação da ONU por motivos soberanos. Os votos do Conselho de Segurança sobre o assunto há muito são controversos – o mandato expira em 2022 e 2020, apenas para ser renovado um dia depois.

READ  49ers jogam contra os Buccaneers; Cinco lições de #TBvsSF

O Conselho de Segurança autorizou inicialmente a entrega de ajuda a áreas controladas pela oposição na Síria a partir de dois pontos no Iraque, Jordânia e Turquia em 2014. Mas a Rússia e a China o reduziram a um ponto de fronteira turco.

Grupos de ajuda rejeitaram o impasse do Conselho de Segurança.

‘Crueldade absoluta’

A Rússia e a Síria argumentaram que a operação de ajuda viola a soberania e a integridade territorial da Síria. Eles dizem que mais ajuda deveria vir de dentro do país, e a oposição teme que alimentos e outras ajudas fiquem sob controle do governo.

Depois que um terremoto na Turquia e na Síria matou mais de 50.000 pessoas em fevereiro, o presidente sírio, Bashar al-Assad, autorizou as Nações Unidas a enviar dois comboios de ajuda adicionais da Turquia. A autorização expira em 13 de agosto.

O governo sírio não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre se agora incluiria a travessia de Bab al-Hawa em seu acordo com as Nações Unidas e estenderia essas aprovações além de 13 de agosto.

“Isso é para eles (Síria) decidirem”, disse Nebenzia a repórteres. “Depende deles.”

Damasco avaliará a situação e anunciará sua posição, disse o embaixador da Síria na ONU, Bassam Sabak, à Reuters.

Sabak disse ao conselho que a autorização da operação de ajuda só deve ser prorrogada por seis meses, e criticou o texto elaborado pela Suíça e pelo Brasil, dizendo que “não reflete as aspirações dos sírios”.

A China se absteve na votação sobre a renovação de compromisso de nove meses da autorização da medida de ajuda preparada pela Suíça e pelo Brasil, enquanto os 13 membros restantes do Conselho de Segurança votaram a favor.

Apenas a Rússia e a China votaram a favor da proposta russa de prorrogação de seis meses. Dez membros do Conselho de Segurança se abstiveram, com os Estados Unidos, Grã-Bretanha e França votando contra.

READ  O Manchester City manteve sua busca por um histórico 'Treble' ao vencer o Manchester United na FA Cup.

Uma resolução requer pelo menos nove votos a favor e vetos da Rússia, China, Estados Unidos, França ou Grã-Bretanha para ser aceita pelo Conselho de Segurança.

“Este é um momento triste para o povo sírio”, disse o embaixador dos EUA, Thomas-Greenfield, à assembléia após o veto da Rússia. “O que acabamos de ver, o que o mundo acabou de ver, é um ato absolutamente horrível.”

A violenta repressão de Assad a manifestantes pacíficos pró-democracia levou à guerra civil em 2011, com Moscou apoiando Assad e Washington apoiando a oposição. Milhões fugiram da Síria e outros milhões estão deslocados internamente. Os combates diminuíram para trazer Assad de volta ao controle de grande parte da Síria.

Relatório de Michael Nichols; Edição por Rami Ayyub e Mark Heinrich

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *