Rússia bane 500 americanos, incluindo jornalistas da CNN



CNN

O ex-presidente dos EUA, Barack Obama, o apresentador de TV noturno Stephen Colbert e Erin Burnett, da CNN, estão entre os “500 americanos” proibidos de entrar na Rússia.

A Rússia anunciou na sexta-feira que estava proibindo “500 americanos”, várias figuras-chave do poder executivo dos EUA, de entrar no país, de acordo com um comunicado do ministério russo. Negócios Estrangeiros.

A lista inclui Obama, o ex-embaixador dos EUA John Huntsman, vários senadores dos EUA e o próximo presidente esperado do Joint Chiefs, Charles Q. Brown Jr.

A lista de nomes movimentados também inclui os apresentadores de TV noturnos americanos Jimmy Kimmel, Colbert e Seth Meyers.

A declaração acrescentou: “A ‘Lista-500’ anexa inclui pessoas do governo e agências de aplicação da lei que estiveram diretamente envolvidas no assédio a dissidentes após a chamada tempestade do Capitólio”. Em 6 de janeiro de 2021, um grande número de apoiadores do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tentou bloquear a certificação presidencial de Biden e invadiu a capital dos Estados Unidos.

O presidente russo, Vladimir Putin, questionou as prisões dos manifestantes meses depois, dizendo que as pessoas compareceram ao Congresso com “exigências políticas”. Reuters informou.

A lista de sexta-feira inclui a âncora da CNN Erin Burnett e é uma atualização de uma longa lista divulgada anteriormente de indivíduos sancionados, que inclui o principal correspondente de segurança internacional da CNN, Nick Patton Walsh, os colaboradores da CNN Bianna Golodryga e Timothy Naftali.

CNN, Getty Images

A âncora da CNN Erin Burnett, o apresentador da madrugada Stephen Colbert, o ex-presidente Barack Obama e o correspondente da CNN Nick Baden-Walsh foram proibidos de entrar no país pela Rússia.

Embora nomeado como um dos “500 americanos” da lista, Patton Walsh é um cidadão britânico.

READ  Pesquisa da CNN: vantagem de Trump sobre Haley aumenta para dois dígitos em New Hampshire

O ministério justificou as sanções em um comunicado em seu site: “É hora de Washington aprender que mesmo um ataque hostil contra a Rússia não ocorrerá sem uma resposta forte”.

Não especifica as queixas contra cada indivíduo nem explica quais são as restrições para além da proibição de entrada no concelho.

Além disso, o ministério disse que continua negando o pedido da Embaixada dos EUA de acesso consular ao jornalista americano Ivan Gershkovich “devido à falha na emissão de vistos para jornalistas russos do grupo Lavrov”, uma aparente referência à visita do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. Para a América em abril.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *