Papa diz que Vaticano está envolvido em missão secreta de manutenção da paz na Ucrânia

APORTO AEROPORTO PAPAL, 30 de abril (Reuters) – O Vaticano está trabalhando nos esforços de paz para acabar com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia e está pronto para devolver as crianças ucranianas levadas à Rússia, disse o papa Francisco neste domingo. Terra ocupada pelos russos.

“Há uma missão agora, mas ainda não é pública. É pública, vou revelá-la”, disse o papa a repórteres durante um voo para casa após uma viagem de três dias à Hungria.

“Acho que a paz sempre vem abrindo canais. Você nunca consegue paz fechando… Não é fácil.”

O Papa acrescentou que conversou com o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, e com o metropolita (bispo) Hilarion, representante da Igreja Ortodoxa Russa em Budapeste, sobre a situação na Ucrânia.

“Nessas reuniões não falamos apenas sobre Chapeuzinho Vermelho. Falamos sobre todas essas coisas. Todos estão interessados ​​no caminho para a paz”, disse ele.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022, Francisco implorou pela paz praticamente semanalmente e expressou repetidamente a vontade de atuar como um intermediário entre Kiev e Moscou. Sua oferta até agora não produziu nenhum progresso.

O papa Francisco, de 86 anos, disse anteriormente que gostaria de visitar Kiev e Moscou em missões de paz.

O primeiro-ministro ucraniano, Denis Shmihal, disse que se encontrou com o papa no Vaticano na quinta-feira para discutir uma “fórmula de paz” apresentada pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Schmihal pediu ajuda para repatriar as crianças. Kiev estima que quase 19.500 crianças foram levadas para a Rússia ou para a Crimeia ocupada pelos russos desde a invasão de Moscou em fevereiro do ano passado.

READ  O governo dos EUA foi atingido por um ataque cibernético global

“A Santa Sé está pronta para fazer isso (ajudar a repatriar crianças) porque é a coisa certa”, disse Francisco no avião. “Todos os gestos humanos ajudam, mas os gestos de crueldade não. Devemos fazer tudo o que for humanamente possível”.

Francisco, que parecia relativamente bem durante a viagem, também falou sobre sua saúde após sua hospitalização no final de março pelo que o Vaticano disse na época ser bronquite.

Ao final de sua audiência pública na quarta-feira, 29 de março, ele disse que sentiu uma dor forte e tentou dormir.

“Não perdi a consciência, mas tive febre alta e o médico me levou às pressas para o hospital por volta das 15h”, disse ele.

“Foi uma pneumonia forte e grave na parte inferior dos pulmões. Graças a Deus posso falar. O corpo respondeu bem ao tratamento, graças a Deus”, disse. Ele foi solto em 1º de abril.

Há meio século, ele teve parte de um de seus pulmões removido quando adolescente na Argentina.

O Papa disse que não houve mudança nos planos de viajar para Lisboa em agosto para um encontro internacional de jovens, depois separadamente para Marselha e Mongólia.

Relatório de Philip Pullella; Por Crispian Palmer; Edição de Hugh Lawson

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *