Jim Jordan se prepara para intimidar o orador em seus braços

Jordan perguntou.

Um deles Bastante Há casos em que o republicano de Ohio usou táticas duras – ou o que alguns de seus colegas chamam de intimidação – para conseguir o que queria. Na verdade, ele era tão bom nisso que o POLITICO o chamou de “o outro presidente da Câmara” na época.

Jordan mais uma vez quer algo que seus colegas não lhe dão. Ao dar o último impulso para ser porta-voz, ele enfrenta uma escolha: ele concorda com as últimas mudanças como companheiro de equipe? Ou ele está voltando aos truques contundentes com os quais construiu sua reputação?

Uma coisa é certa: ele tem trabalho a fazer. Embora Jordan tenha ganhado ontem a nomeação do Partido Republicano para presidente da Câmara, a votação esteve longe da demonstração de unidade que ele e os seus aliados tinham previsto. 81 republicanos rejeitaram a Jordânia, e um deputado discreto, o deputado Austin Scott (R-Ga.), Decidiu concorrer poucas horas antes da votação.

“Ficamos chocados com o número de pessoas que não votaram nele”, disse o deputado. Daniel Webster (R-Flórida) Bloomberg disse. “Não há outro lugar para ir e eles ainda não querem ir para lá.”

O resultado final é o desafio que Jordan enfrenta: apesar de ter se tornado mais alinhado com a liderança nos últimos três anos, muitos de seus colegas ainda não confiam nele.

Muitos deles temem que ele abrace a crise financeira e force a paralisação do governo. Um grupo ainda maior está irritado com a forma como o líder da maioria na Câmara tratou Steve Scalise depois que ele ganhou a indicação na quarta-feira, e não está ansioso para ver o segundo colocado acabar com Cavell.

READ  Rick Pitino pede desculpas por criticar os jogadores do St. John: 'Eles nunca me decepcionaram'

Ainda assim, não é surpresa que Jordan e seus aliados estejam dispostos a lutar na ausência de Scalise. A sua estratégia é simples: acabar com os resistentes num referendo e colocá-los numa panela de pressão política.

“O que vai acontecer é que eles vão votar no plenário e depois vão perguntar na base”, disse o deputado Tim Burchett (R-Tenn.). disse ao Politico na sexta-feiraJordan ecoa a crença de que os seus oponentes no mundo cederão sob pressão da base do Partido Republicano.

A teoria certamente tem mérito: numa votação secreta perguntando aos membros se apoiariam a Jordânia no plenário, a oposição caiu de 81 para 55. Poucos desses 55 tornaram pública a sua oposição – temendo uma ruptura pública com a Jordânia.

Mas chegar aos 217 exigiria um esforço de terra arrasada contra todo o campo que Jordan deu aos seus pares nos últimos dias – ele é um homem mudado. Todos Os republicanos não são apenas conservadores que se entregam ao fundamentalismo.

E se ele tentar derrubar a sua oposição, isso anularia a sua posição no início desta semana – o candidato precisa de obter 217 votos na convenção.

(Observe que Jordan não estava sozinho nessa reviravolta em particular: no início desta semana, o presidente deposto Kevin McCarthy apoiou a regra Get-217-first enquanto Scalise estava em ascensão. Após a nomeação de Jordan ontem, ele e o presidente interino Pro Tempore Patrick McHenry estava entre as únicas pessoas na sala. Segundo ele, ele disse aos republicanos para entrarem na linha: Jordan desejo Seja um palestrante. (É uma mensagem que nenhum homem enviou desde que Scalise foi nomeado.)

Apesar da pressão, um grupo de republicanos já lançou uma campanha firmemente contra ele pessoalmente. Eles incluem apropriadores que não confiam no seu julgamento sobre o financiamento do governo e falcões da defesa que não gostam da sua hesitação nos aumentos orçamentais do Pentágono.

READ  Oscar 2023: Academia permite que Andrea Riseborough continue com indicação

No entanto, para dizer o mínimo, não são um grupo com um forte historial de superação dos seus colegas. Jordan tem outras vantagens: ao contrário de Scalise, que enfrentou pressão para renunciar após apenas um dia, ele tem mais de três dias para impressionar os seus adversários antes da votação prevista para terça-feira. E, aparentemente, muitos membros estão fartos do drama, ansiosos para eleger um líder e seguir em frente.

Uma pessoa familiarizada com a tentativa de chicotada de Jordan rejeitou a ideia de que Jordan estava tentando passar por intimidação. Depois de receber a nomeação ontem, Jordan encorajou os membros céticos a expressarem suas preocupações, disse a pessoa, e nenhum legislador lhe disse que não votaria em plenário.

“O presidente Jordan deixou claro que quer reunir a conferência para aprovar as leis que o povo americano espera, dando a Israel os recursos necessários para destruir o Hamas, proteger a fronteira e reformar a FISA”, disse o porta-voz Russell Dye. “Ele espera trabalhar com toda a conferência enquanto for palestrante.”

Gostou deste conteúdo? Inscreva-se no boletim informativo do Playbook do POLITICO.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *