Fontes dizem que dois reféns americanos estão sendo libertados pelo Hamas



CNN

Duas reféns americanas, uma mãe e sua filha, estão sendo libertadas pelo Hamas, segundo uma pessoa familiarizada com as negociações e uma fonte diplomática.

Ambos foram entregues à Cruz Vermelha e estão “de saída”, disse uma fonte familiarizada com as negociações.

A mesma fonte disse que ambos estão a ser libertados por “razões humanitárias”, uma vez que a mãe não se encontra bem de saúde.

Não está claro se eles deixarão Gaza em direção ao Egito ou a Israel. Este foi o resultado das negociações entre o Qatar e o Hamas após o sequestro, em 7 de Outubro, de aproximadamente 200 pessoas de Israel pelo Hamas.

Num comunicado, o porta-voz do Hamas, Abu Obaidah, disse: Em resposta aos esforços do Qatar, as Brigadas Al-Qassam libertaram dois cidadãos americanos (uma mãe e a sua filha) por motivos humanitários, e estas reivindicações foram provadas ao povo americano e ao mundo. Biden e a sua administração fascista estão mentindo e sem fundamento.

A Casa Branca não comentou. O Gabinete do Primeiro Ministro israelense não fez comentários. A CNN entrou em contato com a Cruz Vermelha. As Nações Unidas alertaram na sexta-feira que a tomada de reféns é proibida pelo direito internacional.

A notícia da libertação surge em meio à crescente pressão sobre os líderes mundiais para libertar os reféns, após visitas do presidente dos EUA, Joe Biden, do secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, e do primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, a Israel nos últimos dias.

Mais de 1.400 pessoas, incluindo civis e soldados, foram mortas em ataques do Hamas no início deste mês, segundo autoridades israelenses. Foi o ataque terrorista mais mortal nos 75 anos de história de Israel e expôs uma falha chocante de inteligência por parte das forças de segurança do país.

READ  A economia dos EUA cria 303.000 empregos, o desemprego cai para 3,8% em março, à medida que o mercado de trabalho continua a apertar

Israel bombardeou Gaza com ataques aéreos implacáveis ​​e impôs um bloqueio total aos territórios palestinianos, desencadeando uma crise humanitária catastrófica.

Segundo o Ministério da Saúde palestiniano, os ataques israelitas a Gaza mataram pelo menos 3.785 pessoas, incluindo 1.524 crianças, 1.000 mulheres e 120 idosos. Quase 12.500 pessoas ficaram feridas.

A Amnistia Internacional classificou a “punição colectiva” de Israel aos civis palestinianos por um ataque mortal do Hamas como um crime de guerra.

Na sexta-feira, as Forças de Defesa de Israel disseram que “a maioria” dos reféns feitos pelo Hamas estavam vivos. A CNN não pode verificar de forma independente as afirmações da IDF.

Muitos estrangeiros também foram sequestrados pelo Hamas, incluindo os dos Estados Unidos, México, Brasil e Tailândia.

As informações sobre o estado, localização e identidade de todos os reféns permanecem limitadas. Alguns foram identificados por famílias que os reconhecem em vídeos online, o que suscitou apelos desesperados pelo seu regresso.

Esta história está evoluindo e sendo atualizada.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *