Atividade fabril chinesa cai em dezembro pela terceira contração mensal consecutiva

Uma pesquisa com gestores de fábricas na China mostrou que a produção contraiu em dezembro, o mais recente sinal de desaceleração na segunda maior economia do mundo.

O Índice Oficial de Gerentes de Compras, ou PMI, caiu para 49 no mês passado, o que as autoridades disseram ser uma evidência de demanda fraca, informou o Escritório de Estatísticas Nacionais no domingo. Este é o terceiro mês consecutivo de contração. O PMI está numa escala de 100, onde 50 representa o corte entre expansão e contração.

O índice caiu em oito dos últimos nove meses, subindo apenas em setembro. Em novembro, o índice situou-se em 49,4, acima dos 49,5 do mês anterior.

Apesar da fraqueza inesperadamente persistente após a pandemia, a economia da China cresceu a um ritmo de 5,2% nos primeiros três trimestres do ano e mostrou sinais de melhoria em Novembro, com o aumento da produção industrial e das vendas a retalho.

Nos últimos meses, o governo aumentou os gastos na construção de portos e outras infra-estruturas, cortou as taxas de juro e aliviou as restrições à compra de casas para estimular a procura interna, o que os economistas dizem ser necessário para sustentar o crescimento.

No seu discurso de Ano Novo, o Presidente Xi Jinping disse que a China fez uma “transição suave” na resposta do país à pandemia, que por vezes envolveu o encerramento de fábricas e partes de regiões ou cidades inteiras.

READ  Banda americana The Killers pede desculpas por trazer fã russo ao palco na Geórgia

A economia da China “tornou-se mais resiliente e dinâmica do que antes”, disse Xi em comentários divulgados pela agência de notícias oficial Xinhua.

A procura global de bens manufaturados foi atingida à medida que os bancos centrais de todo o mundo aumentaram as taxas de juro para combater décadas de inflação elevada. As pressões sobre os preços diminuíram nos últimos meses, mas a procura ainda não regressou aos níveis anteriores à pandemia. Tem alcance regional, uma vez que as cadeias de abastecimento ligadas à China estão espalhadas por vários países asiáticos.

A dependência das exportações para impulsionar o crescimento na China significa mais concorrência à medida que o governo investe em mais construção industrial, disse Stephen Innes, da SPI Asset Management, num comentário. “O maior constrangimento do sector industrial não é o acesso ao capital, mas sim a fraca procura, pelo que expandir o investimento industrial significa expandir o excesso de capacidade”, observou.

O PMI não-industrial da China subiu para 50,4 em dezembro, informou o Departamento de Estatísticas. O subíndice do PMI do sector dos serviços situou-se em 49,3, contudo, inalterado face ao nível de Novembro.

Apesar de uma desaceleração no mercado imobiliário devido a medidas para conter o excesso de empréstimos por parte dos promotores imobiliários, a indústria da construção está a crescer: o subíndice para esse sector subiu para 56,9 em Dezembro, em território de expansão, de 55 em Novembro, afirma o relatório. . disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *