Al-Shifa: Tropas e tanques israelenses atacam o maior hospital de Gaza



CNN

Israel disse que o seu exército realizou uma operação “direcionada” contra o Hamas na manhã de quarta-feira, dentro do maior hospital de Gaza, onde se acredita que milhares de palestinos estejam abrigados.

As condições no Hospital Al-Shifa não estão mais operacionais devido à falta de combustível Deteriorou-se rapidamente Nos últimos dias, em meio a intensos combates, os médicos alertaram para uma situação ainda mais “catastrófica” para pacientes, funcionários e deslocados. A operação de quarta-feira gerou críticas internacionais.

Num comunicado publicado online, as Forças de Defesa de Israel O (IDF) disse ter lançado “uma operação precisa e direcionada contra o Hamas em uma área específica do hospital Shifa”.

Qader al-Zanoun, repórter da agência de notícias palestina Wafa, descreveu cenas dos violentos combates à CNN.

“Explosões estão abalando os edifícios do hospital al-Shifa… a vizinhança do hospital está sitiada em todas as quatro direções após o lançamento de foguetes e projéteis de artilharia”, disse ele em uma mensagem de texto.

As forças israelenses “ocuparam o hospital com um grande número de soldados e veículos militares, incluindo tanques, veículos blindados, navios de tropas e escavadeiras”, disse Al Zanoun.

Falando aos repórteres na quarta-feira, um alto funcionário da segurança israelense disse que “soldados israelenses estão conduzindo operações de busca e interrogatório com jovens em meio a tiroteios intensos e violentos dentro do hospital”. Ele acrescentou que o exército israelense está “chamando os jovens através de megafones para levantarem as mãos, saírem e se renderem”.

O escritório de mídia do governo do Hamas disse que Al-Shifa estava sob o controle das forças israelenses. “A ocupação ‘israelense’ é a única responsável pelas vidas e segurança do pessoal médico, dos feridos, dos doentes, dos bebés prematuros e das pessoas deslocadas”, afirmou num comunicado.

Israel não comentou o controle total de Al-Shifa.

No entanto, num briefing dado quase 12 horas após o início da operação, um alto responsável da segurança israelita disse que os soldados tinham encontrado armas no hospital, o que o Hamas rejeitou como uma “mentira descarada e propaganda barata”.

A rádio israelense disse em comunicado no início do dia que os militares não encontraram até agora nenhum sinal de reféns dentro do hospital.

Israel acusa o Hamas de usar o grande complexo hospitalar para fins militares, o que afirmou num comunicado divulgado na quarta-feira que “afeta o estatuto de proteção do hospital ao abrigo do direito internacional”.

O Hamas e as autoridades hospitalares continuam a negar as alegações de Israel de que construiu um centro de comando sob um hospital do Hamas.

READ  Hacking na Rússia: ‘FSP está envolvido em ataques cibernéticos no Reino Unido há anos’, diz o governo

Horas antes do ataque, a Casa Branca e o Pentágono disseram que o Hamas estava estocando armas e operando um centro de comando no hospital.

O Pentágono disse que os EUA desclassificaram recentemente a inteligência para mostrar que o Hamas e a Jihad Islâmica Palestina al-Shifa estão a usar os hospitais como uma forma de “cobrir e apoiar as suas operações militares e manter reféns”.

No entanto, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, disse que Washington não aprovou a medida específica em torno do hospital al-Shifa e que não aprovou quaisquer planos militares de Israel. Kirby disse que “não houve foco” no telefonema do presidente dos EUA, Joe Biden, com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na terça-feira.

Ele reiterou que os Estados Unidos acreditam que Israel não deveria atacar hospitais em Gaza pelo ar e que os civis deveriam ser protegidos de tiros.

Grupos de direitos humanos condenaram veementemente o ataque de Israel a Al-Shifa, com a Organização Mundial da Saúde e as autoridades de saúde palestinas alertando que perderam contato com o pessoal do hospital.

A pressão internacional sobre o governo israelita intensificou-se nos últimos dias, em meio a relatos de condições terríveis em outros hospitais de Gaza carentes de combustível e de grave escassez de alimentos e água.

Martin Griffiths, coordenador de ajuda emergencial da ONU, disse estar “horrorizado com relatos de ataques militares ao hospital Al-Shifa em Gaza”.

“A segurança dos recém-nascidos, dos pacientes, da equipe médica e de todos os membros do público deve prevalecer sobre todas as outras preocupações. Os hospitais não são campos de batalha”, disse Griffiths no site X, anteriormente conhecido como Twitter.

Enquanto isso, o Ministro da Saúde palestino baseado em Ramallah, Mai Al-Qaila, chamou a “tempestade” do exército israelense sobre Al-Shifa de “crime contra a humanidade”, enquanto o Ministério das Relações Exteriores da Jordânia a chamou de “violação humanitária internacional”. lei.”

Num comunicado divulgado na quarta-feira, as FDI alertaram que o “uso militar contínuo do hospital Shifa pelo Hamas está afetando seu status de proteção” por várias semanas.

Afirmou ter notificado as autoridades envolvidas na terça-feira que todas as operações militares no hospital deveriam ser interrompidas dentro de 12 horas.

Mas ainda Um médico da al-Shifa disse à CNN que o alerta foi dado 30 minutos antes do início da operação israelense.

“Fomos solicitados a ficar longe de janelas e varandas. Estamos ouvindo veículos blindados, que estão muito perto da entrada do complexo”, disse o Dr. Khaled Abu Samra.

READ  Um helicóptero de inteligência de Marte ligou para casa, quebrando um silêncio de 63 dias

O Diretor Geral dos Hospitais de Gaza, Jackwood, disse que os recém-nascidos no Hospital Al-Shifa correm “grave perigo” à medida que a situação continua a deteriorar-se.

“Já dissemos várias vezes que quando evacuamos o hospital… não temos espaço para retirar 40 incubadoras do hospital”, disse Jackwood.

A CNN não conseguiu confirmar de forma independente a sua avaliação da situação. Mas imagens divulgadas anteriormente por Al-Shifa na CNN mostraram recém-nascidos retirados de incubadoras desativadas e embrulhados em papel alumínio depois que os suprimentos de oxigênio acabaram.

Centenas de funcionários e pacientes ainda estão dentro do Al-Shifa, de acordo com os últimos relatórios do hospital, juntamente com vários milhares que buscaram refúgio dos ataques aéreos e terrestres israelenses.

Uma declaração israelense dizia: “As FDI estão conduzindo uma operação terrestre em Gaza para derrotar o Hamas e resgatar nossos reféns. Israel está em guerra com o Hamas, não com os civis em Gaza.

A declaração do Hamas culpou Israel e os Estados Unidos pelo ataque ao hospital militar israelense. Ao apoiar o que chamou de “falsa narrativa” de Israel de que o Hamas usa al-Shifa como base de comando e controle, disse que os EUA deram a Israel “luz verde para realizar mais massacres contra civis”.

Israel declarou guerra ao Hamas, o grupo militante palestino que controla Gaza, e impôs um “bloqueio total” em 7 de outubro, após ataques terroristas do Hamas em Israel. 1.200 pessoas foram mortas nos ataques do Hamas e cerca de 240 outras foram mortas. Os reféns, a maioria dos quais mantidos em cativeiro em Gaza.

Desde então, a resposta israelita matou pelo menos 11.255 palestinianos – incluindo 4.630 crianças – de acordo com o Ministério da Saúde palestiniano em Ramallah, que retira recursos médicos de Gaza.

‘Gritos de velhos e gritos de crianças’

As pessoas dentro de al-Shifa perderam contacto com outros edifícios do complexo, dificultando os esforços dos trabalhadores humanitários e das autoridades palestinianas para obter informações atualizadas sobre as terríveis condições enfrentadas pelos pacientes e pelo pessoal médico afetados pelo terrorismo.

Omar Zaqout, supervisor do Departamento de Urgências, disse que as pessoas estão se abrigando dentro dos edifícios e longe de janelas e portas.

“Não sabemos o que está acontecendo lá fora, tudo o que ouvimos são explosões, tiros, gritos de idosos e gritos de crianças”, acrescentou Jackwood.

Ele disse que já tinha visto soldados israelenses nos prédios ao redor do pronto-socorro e pessoas sendo algemadas, despidas e vendadas. A CNN não estava no terreno e não pôde verificar a sua conta de forma independente. A CNN entrou em contato com a IDF para comentar as alegações, mas ainda não recebeu resposta.

Jackwood, diretor-geral dos hospitais em Gaza, acusou as equipes médicas das FDI de interrogar pacientes e seus cônjuges.

“Alguns dos guardas foram forçados a tirar a roupa”, disse Jackwood, que não estava no hospital, mas conversou com os médicos lá dentro.

O porta-voz das FDI, contra-almirante Daniel Hagari, disse que as forças israelenses “incluem equipes médicas e falantes de árabe que receberam treinamento específico para se preparar para este ambiente complexo e sensível com o objetivo de não causar danos aos civis”. A CNN não conseguiu verificar as afirmações de Hagari.

Por sua vez, Zaqout enfatizou que todas as pessoas hospitalizadas são civis. “A situação é terrível agora.”

No início desta semana, médicos e jornalistas descreveram esforços desesperados para manter vivos bebés prematuros e procedimentos minimamente invasivos à luz de velas, à medida que a comida, o leite e a água acabavam.

O diretor do hospital, Mohammed Abu Salmiya, disse à Al Jazeera que havia planos para enterrar mais de 150 corpos, mas temia que o cemitério não fosse grande o suficiente. Al-Za’anoun, um repórter do Wafa, disse à CNN: “O cheiro dos mortos é insuportável, a maioria dos corpos são de mulheres e crianças”.

Nos últimos dias, 15 pacientes morreram em al-Shifa, seis deles recém-nascidos, devido à falta de eletricidade e de suprimentos médicos, disse o Ministério da Saúde palestino em Ramallah, citando números do território controlado pelo Hamas.

O ministro da Saúde egípcio, Khaled Abdel Ghaffar, disse na terça-feira que estavam a ser tomadas medidas para trazer 36 recém-nascidos de al-Shifa para o Egipto, embora tal transferência fosse arriscada.

Registrado pela Organização Mundial da Saúde Pelo menos 137 ataques Em relação às instalações de saúde em Gaza, disse que houve 521 mortes e 686 feridos.

Outros locais protegidos, como escolas, abrigos civis e instalações das Nações Unidas, já foram danificados ou destruídos em ataques aéreos israelitas. Na segunda-feira, a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina (UNRWA) anunciou que 100 funcionários da ONU foram mortos em Gaza desde o início dos combates – o maior número na história das Nações Unidas.

Esta é uma história em desenvolvimento e está sendo atualizada.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *