Sobre moradores de rua: a melhor resposta que eu vi para Bia Doria

Você provavelmente já soube do vídeo publicado recentemente, onde a primeira dama de São Paulo diz para Val marchiori que não é correto dar marmitas para moradores de rua, porque isso atrapalharia a motivação deles para sair dali. Bom, se você não viu, vou reproduzir ele abaixo também. O diálogo é qualquer coisa de bizarro:
“As pessoas que estão na rua… Não é correto você chegar lá na rua e dar marmita, porque a pessoa tem que se conscientizar de que ela tem que sair da rua. A rua hoje é um atrativo, a pessoa gosta de ficar na rua” (…) “A pessoa quer receber comida, roupa, uma ajuda, e não quer nenhuma responsabilidade. Isso está muito errado. Se a gente quer viver em um país…”, diz Bia Doria continua Bia.

O vídeo pegou tão mal que Val Marchiori foi entregar marmitas depois dele.

Eu não pretendia falar nada a respeito, porque achei absurdo demais. Mas aí vi ontem que minha amiga Kall – que faz um trabalho FODA distribuindo comida para moradores de rua em plena pandemia de Covid – postou um texto sobre o assunto. O texto tá foda como tudo que ela faz, então pedi para reproduzir ele abaixo. Segue o texto:

Por Kall Passos

Duas pessoas queridas me marcaram no vídeo asqueroso das socialites paulistanas. Uma emergente, caçadora de maridos ricos (inclusive comprometidos), a outra, primeira dama da maior cidade do país.

Pois bem, ao ver a chamada do vídeo, não consegui assistir porque precisava almoçar, e aquilo certamente me faria vomitar. Mas pensei, vou assistir, preciso assistir, porque estou envolvida num projeto de auxílio às pessoas em situação de rua de cidade que escolhi pra viver.

Já era noite, tentei assistir mais uma vez, resultado: uma crise de ansiedade com direito a falta de ar, taquicardia, ânsia de vômito, dormência nas mãos e nos pés, crise de choro. Precisei me medicar, e às 21h, dormi.

Às 23:40 acordei como se não tivesse tomado remédio nenhum. Depois não dormi mais.  São agora, 5h da manhã, assisti inteiro. E eu estou escrevendo para tentar tirar de dentro de mim, todo o nojo e revolta que esse vídeo causou.

“A rua é um atrativo para eles” disse a primeira dama.

Deve ser super atrativo dormir no frio, no chão, com medo, com fome, sem saber se vai acordar vivo.  Deve ter sido atração que levou milhares de LGBTs para as ruas porque sofriam violência doméstica e bullying escolar.

Deve ter sido atração que levou idosos, que perderam seus empregos, e pela idade já não conseguiram outro trabalho para pagar seus aluguéis remédios e comida, porque um salário mínimo não cobre nem metade desses custos.

Atração pelas ruas é o nome do que deve ter levado as meninas estupradas em casa por tios, pais, avós ou padrastos, por isso devem estar lá, se sobreviverem até alcançar a fase adulta.

Uma atração enorme e consciente pelas ruas, é o que deve ter levado a parcela de pessoas com doenças mentais não tratadas pelo estado, que já nem se lembram mais, ou nunca souberam, que têm direito à vida e à dignidade, segundo a Constituição Federal.

Outra fala que destaco, é da colega dela, “eles não querem ficar no abrigo, porque tem horário pra tudo, tem limpeza, responsabilidade”. Para esta fala, deixo dois links de matérias jornalísticas, mostrando as condições dos abrigos nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Agora vou tentar dormir de novo, porque amanhã tenho um compromisso do qual não pretendo me eximir até que a pandemia no Brasil esteja sob controle, ou se Deus me permitir, até que eu pare de respirar.

Levar agasalhos, materiais de higiene, e alimentos para pessoas que não têm a sorte delas, de sentar num sofá caro e falar sandices a respeito de um assunto que é bem mais profundo do que as agulhas de seus botox conseguem perfurar.

https://www.brasildefato.com.br/2020/03/25/sem-informacao-higiene-e-abrigos-populacao-de-rua-de-sp-esta-vulneravel-a-covid-19

https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/04/20/pessoas-sem-teto-reclamam-de-condicoes-de-abrigo-da-prefeitura-no-centro-do-rio.ghtml

Quer ajudar?

Quer ajudar a Kall no trabalho que ela faz? Entra em contato com ela!

E por fim, o tal vídeo.

guidonietmann

guidonietmann

Há 9 anos morando em Paraty, Guido Nietmann é fotógrafo e webmaster. Em parceria com a fotógrafa Roberta Pisco, criou a Fotos Incríveis, empresa especializada em fotografia imobiliária, gastronômica, fotografia aérea, fotografia de produtos e que atua também com ensaios, além de responsável pela criação do Projeto Eu Amo Paraty. Apaixonado por Paraty, não se cansa de retratar as belezas da cidade, e seu cantinho preferido é a praça da Igreja de Santa Rita! Contato e mais informações: www.fotosincriveis.com.br

Um comentário em “Sobre moradores de rua: a melhor resposta que eu vi para Bia Doria

  • Avatar
    5 de julho de 2020 em 16:14
    Permalink

    ❤️❤️🙏

    Resposta

Deixe aqui sua opinião sobre este assunto!

%d blogueiros gostam disto: