Texto enviado pela produção do evento. 

Moradores de Paraty se reúnem na Remada Ecológica

Iniciativa em defesa do meio ambiente atrai cerca de 300 pessoas na praia do Jabaquara e recolhe quase uma tonelada de lixo das praias e rios da cidade  

Domingo de sol, um céu de dezembro incrivelmente azul e, se alguém está em Paraty, o melhor rumo é a praia e muita curtição, não é mesmo!? Só que para o pessoal da Rede Esportiva de Paraty, grupo de esportistas que promove a Remada Ecológica, a praia é o destino logo cedo. Bem, mas dessa vez o encontro é para trabalhar. Antes de colocar a mão na massa, ou melhor, no lixo, é servido um café da manhã reforçado com muitas frutas e líquido para que os participantes possam dar conta da missão. 

A ação é em prol do meio ambiente. Quase trezentas pessoas reunidas: pais, filhos, famílias, jovens, adultos, esportistas, não  esportistas. Todos dispostos a cuidar do seu canto. 

“Paraty, cidade a beira mar, meu cantinho adorado…”, nesse trecho do hino oficial da cidade, os ilustres músicos paratienses Aldmar Gomes Duarte Coelho e Benedito das Flores, o maestro Potinho, já demonstravam tamanha admiração pela histórica Paraty, de rica e rara beleza natural. No entanto,  esse cantinho adorado por muitos anos já não é o mesmo. Sofre as conseqüências da ação irresponsável do homem. 

Para quem visita a cidade, tudo por aqui parece uma maravilha. Apenas parece, até porque Paraty já é atraente por natureza. Mas o cidadão paratiense que vive na cidade o ano todo sente na pele o quanto Paraty ainda precisa evoluir nas questões ambientais e, principalmente, no cuidado com o lixo. 

Evento atrai público infantil 

Afinal, será que a cidade está limpa? Ah! Sim, não existe mais o lixão da Boa Vista. Então, está tudo certo! Não parece que está. Olha quanto lixo recolhido na Remada Ecológica apenas em poucas horas na Praia do Jabaquara, Praia do Pontal e nos Rios Perequê Açú e Jabaquara! Quase uma tonelada! É muita coisa. 

Enquanto os remadores retornavam do mar com canoas e caiaques carregados de entulho, a criançada recolhia o lixo da praia, atraída pela música, oficina de máscaras, arte e teatro. Uma maneira bem simples de aprender a cuidar do meio ambiente e brincando.

Se por um lado podem faltar mais políticas públicas para melhorar esse quadro, falta principalmente juízo a uma boa parte de cidadãos para cuidar do que é seu. A mudança começa na casa de cada um, por ele próprio, não dá pra ficar esperando ajuda pra cuidar do nosso próprio lar, não é mesmo!?

Cada um deve fazer sua parte primeiro, depois poderão ver o tamanho da força que juntos podem ter para cuidar e proteger seus cantos, seus rios e praias, presentes que Deus nos deu sem cobrar nada, mas que muitos não dão o mínimo valor. O resultado disso é um Deus desapontado e uma natureza que chora. 

Preocupação com a futura geração

Essa foi a 4ª Remada Ecológica de Paraty que acontece desde 2014. Não foi realizada apenas no ano passado. A iniciativa está dando o recado. Cada cidadão que mora em Paraty e também aquele que frequenta a cidade deve assumir o dever de cuidar do seu território, do seu cantinho adorado. Dessa forma, todos terão um lugar mais saudável e agradável pra viver.  
Considerando o tamanho da degradação ambiental presente no dia a dia, a Remada Ecológica pode até ser uma verdadeira remada contra a maré, mas que mostra força a ponto de convencer o cidadão de que é possível, sim, viver num ambiente mais limpo e agradável, basta acreditar na capacidade que cada um tem de mudar as coisas.
Focada no que acontece hoje na cidade, a iniciativa quer entregar às futuras gerações uma Paraty melhor. Se ganha com isso,  então, a chance de demonstrar gratidão a Deus pelo que Ele nos dá gratuitamente e a oportunidade de uma reconciliação, de uma convivência em harmonia com a natureza. Sendo assim, vida longa à Remada Ecológica de Paraty!

Atualização: Conforme documentos compartilhados pela organização, foram coletados mais de 1200kg de lixo no evento.