Delegacias da Mulher deverão funcionar 24 horas todos os dias da semana no estado do Rio de Janeiro

Delegacias da Mulher devem funcionar 24 horas todos os dias da semana
Em briga de marido e mulher, o Estado deve, sim, meter a colher e dar garantias e proteção às vítimas de violência. O plenário da Assembleia Legislativa do Rio aprovou nesta quarta, 28, Projeto de Lei de autoria da deputada Dani Monteiro (Psol) que torna obrigatório o funcionamento ininterrupto, 24 por dia, sete dias na semana, inclusive aos feriados, das Delegacias de Atendimento à Mulher.
Segundo o PL 241/2019, que segue agora para sanção do governador, o efetivo das delegacias especializadas deverá ser composto de, no mínimo, 20% de mulheres, e os atendimentos às vítimas de violência doméstica deverão ser realizados em salas reservadas. O projeto também estabelece que os municípios que não dispõem de DEAM, mantenham os Núcleos de Atendimento à Mulher (NUAM’s) com o mesmo padrão de funcionamento.
“Segundo dados da Polícia Militar, o Rio teve 71 feminicídios e outras quase 300 tentativas desse crime contra a mulher em 2018.É sabido também que 70% dos casos de violência ocorrem dentro de casa, ou seja, são provocados por companheiros e ex-companheiros. A nossa cultura ainda é machista, daí a importância de se reafirmar a importância de um atendimento mais pronto, eficaz e humano àquelas que sofrem todos os dias e se mantém caladas por falta de apoio. Manter uma DEAM aberta 24 horas é dar à vítima a garantia de que ela terá um espaço de acolhida em momento crítico de medo. No momento em que o governador Wilson Witzel ameaça mudar as estruturas do aparato das delegacias, a Alerj reage e mostra que está em sintonia com a necessidade de proteger as mulheres em situação de risco. É uma vitória, sem dúvida, essa aprovação”, afirma a deputada.
O texto ainda determina que sejam realizadas campanhas de ampla divulgação do horário de funcionamento das delegacias e dos núcleos. A deputada explicou que o projeto é necessário para gerar proteção às mulheres. Segundo Dani Monteiro, a própria Lei Maria da Penha (Lei Federal 11.340/06), obriga que os órgãos especializados realizem a expedição de medidas protetivas de urgência à Justiça no prazo máximo de 48 horas.
Enviado por Maria da Luz Miranda
guidonietmann

guidonietmann

Há 9 anos morando em Paraty, Guido Nietmann é fotógrafo e webmaster. Em parceria com a fotógrafa Roberta Pisco, criou a Fotos Incríveis, empresa especializada em fotografia imobiliária, gastronômica, fotografia aérea, fotografia de produtos e que atua também com ensaios, além de responsável pela criação do Projeto Eu Amo Paraty. Apaixonado por Paraty, não se cansa de retratar as belezas da cidade, e seu cantinho preferido é a praça da Igreja de Santa Rita! Contato e mais informações: www.fotosincriveis.com.br

Deixe aqui sua opinião sobre este assunto!