Casa Globo ganha espaço na programação da Flip

Parceria entre Globo, GloboNews, Globosat e Fundação Roberto Marinho, ocupação da Casa da Cultura de Paraty terá nomes como Mariana Ximenes, Heloísa PerisséEdney Silvestre, George Moura e Zeca Camargo entre os convidados 

A Casa da Cultura de Paraty será a Casa Globo durante a 17ª Festa Literária Internacional de Paraty – Flip, que acontece de 10 a 14 de julho. O público será convidado a descobrir novas histórias e novos formatos de leitura e de produção literária em uma programação de debates, painéis, exibições de filmes e saraus de poesia promovida por Globo, GloboNews, Globosat e Fundação Roberto Marinho. A Casa Globo funciona entre os dias 12 e 14 de julho, com entrada gratuita, e faz parte do roteiro de casas parceiras da Flip 

O 9º ciclo Páginas Reveladas convida seis jovens talentos ainda não conhecidos do grande público para compartilhar seus processos criativos e inspirações. Nesta edição, a atriz Heloísa Perissé comanda a conversa entre Eduardo Hanzo, Aurora Black e Stella Yeshua sobre o processo de criação de textos de humor em diferentes plataformas. Já Jefferson Sousa, Raull Santiago e Safira Moreira participam de debate sobre o gênero documentário, com mediação de Marcelo Lins. O projeto Páginas Reveladas foi lançado em 2016 pela Globo e já reuniu mais de 35 jovens talentos em mesas literárias sobre poesia, música, ficção e romance. 

O processo criativo e os desafios que envolvem a adaptação literária para a TV são temas da mesa ‘Assista a Esse Livro’, com a participação do jornalista Edney Silvestre, autor do livro que inspirou a série ‘Se eu fechar os olhos agora’; de Mariana Ximenes, que viveu Adalgisa na série; e do autor e roteirista George Moura, de ‘O Canto da Sereia’, ‘O Rebu’ e ‘Onde nascem os fortes’, entre outras produções para a TV. A mediação é de Zeca Camargo.     

Em uma iniciativa inédita, a Casa Globo recebe, no auditório da Casa da Cultura, o programa GloboNews Literatura’. A gravação acontece, pela primeira vez, em formato de talk show, com plateia e a participação de escritores convidados.  O apresentador Claufe Rodrigues conversa sobre novas linguagens e autopublicação com Jarid Arraes, poeta e rapper, e com Kalaf Epalanga, escritor e músico angolano, integrante do grupo Buraka Sound Systeme autor convidado pelo Museu da Língua Portuguesa para esta edição da Flip. Após a gravação, Claufe – criador de diversos grupos de poesia falada, como Os Camaleões – comanda um sarau no pátio da Casa da Cultura com a participação dos poetas Mano Melo e Mônica Montone, entre outros convidados.  

Com debate que reúne Tadeu Jungle, Eduardo Hanzo e Giselle Beiguelman, o público participa do lançamento do Caderno Globo: narrativas (des)construídas em suas versões impressa, em podcast e digital (disponível em app.cadernosglobo.com.br). A 15ª edição da publicação traz textos assinados por nomes como Heloísa Buarque de Hollanda e Júlio Ludemir (que também são curadores do Caderno), Antônio Xerxenesky, Musa Michelle Mattiuzzi e Ramon Vitral sobre slamperformance, games e podcasts como diferentes plataformas narrativas.     

Encerrando a programação no sábado, o Museu da Língua Portuguesa promove o Slam da Língua Portuguesa, no pátio da Casa Globo. Comandado por Emerson Alcalde, do Slam da Guilhermina (SP), o evento receberá ‘slammers’ brasileiros e poetas de Cabo Verde e Portugal para abrir a competição de poesia falada, que também terá microfone aberto para a participação do público.  

Casa também terá exibição de filmes 

Programa já conhecido da comunidade local na Flip, a Sessão Comentada: Minidocs Paratyé exibe os filmes produzidos por jovens de Paraty como resultado da oficina ministrada pelos documentaristas Renée Castelo Branco e Henrique Picarelli, da GloboNews. Este ano, os participantes receberam um desafio: produzir documentários que ilustrem o que é “Paratyé” na sua essência. Em sua terceira edição, a oficina é um projeto colaborativo que tem como objetivo promover a valorização do território, do passado e do presente por meio do audiovisual e com a abordagem de temáticas locais. Além das exibições na Casa Globo, no domingo, dia 14, às 16h, os minidocs terão uma sessão especial no Cinema da Praça com os filmes produzidos nas três edições do projeto.  

Na Sessão Philos será exibido o documentário ‘Eu não sou seu negro’, de Raoul Peck, baseado no livro de James Baldwin, sobre o racismo nos EUA. O filme será o ponto de partida para um debate acerca das questões do negro com a escritora Sol Miranda e os cineastas Bruno Duarte e Yasmin Thayná.  

Domingo contará com mesas sobre polarização e booktubers 

Dois estudos de comportamento darão start nas mesas Meia Palavra e Diálogos. A primeira reúne o sociólogo Túlio Custódio e a especialista em marketing do GNT, Iara Poppe, para tentar entender de que forma o poder da comunicação ajuda a desvendar as raízes dos desentendimentos contemporâneos. O curador de conhecimento André Freire apresenta o segundo painel, que questiona o cenário de polarização social e o que se pode fazer para melhorar o diálogo.  

Roberta Pisco

Roberta Pisco

Roberta Pisco é fotógrafa e produtora cultural, com mais 10 anos de experiência no mercado cultural do Rio de Janeiro. Aprendiz de escritora e de viajante, sempre tem uma lista enorme de filmes para ver e de livros para ler. Meio palhaça, meio nerd, é especialista na arte de rir de si mesma e de provocar reações inesperadas. Carioca convicta, apaixonou-se por Paraty, onde mora e desenvolve seu trabalho como fotógrafa. Junto com Guido Nietmann, criou a Fotos Incríveis, empresa especializada em imagens de altíssima qualidade nas áreas de imobiliária e ambientes, gastronomia, náutica, still (produtos), paisagens, aéreas, etc. Atualmente fotografam para as melhores empresas da Costa Verde.  www.fotosincriveis.com.br https://www.facebook.com/fotosincriveis.com.br https://www.instagram.com/querofotosincriveis/

Deixe aqui sua opinião sobre este assunto!